Quando tudo é o que parece ser...

De molho na cama por todos esses dias, um turbilhão de coisas passam pela cabeça.

Incrível como uma semana parece se transformar em um ano.

A ansiedade toma conta. Não só por não poder trabalhar, mas principalmente pela dor. Mal podia me mexer.

E as orientações do médico foram bem claras. Ou repouso ou fisioterapia forçada. Nem pensar.

Os dias se arrastavam no meu quarto. De posse de meu fiel caderno, trasncrevia todas as idéias que aterrisavam em minha mente. Todas, sem exceção.

Tinha que trazer algo bom de todo o episódio. Se fechar e se vitimizar não era uma opção. Nunca foi.

Quando saimos de nossa zona de conforto, começamos a perceber coisas que não vemos normalmente. E sair da zona de conforto significa ir além. Buscar novas idéias, novos rumos, novas sensações e principalmente, entender nossos sentimentos.

Acredito que todos precisam passar um pouco de tempo a sós. Conversar consigo. Uma conversa séria. Ao pé do ouvido. Dar umas broncas mas também ouvir as dores. Anotar novas idéias e sim- o principal depois dessa conversa - partir pra ação.

Nunca é fácil. Cada um de nós é um ser absoluto. Com desejos e vontades distintos. Sabemos muito e ao mesmo tempo, tão pouco de nós mesmos. Achamos que conhecemos nossas limitações. Mas mal conhecemos nossos superpoderes. E sim. Temos muitos. E são eles que nos fazem acordar e vencer a luta que cada um de nós temos. A luta que escolhemos lutar. A vida que escolhemos viver.

Mas posso te garantir, com todas a certeza, que a vida que escolhemos e trilhamos é tão real quanto a força, energia e diração que nela colocamos.

Somos o chofer de nossas vidas. A pergunta é: quem você está levando no banco de trás?

Fiquem bem, se cuidem.

Beijos e Luz!!!


Vivi Prado